EXTRA ECCLESIAM NULLA SALUS

domingo, 31 de outubro de 2010

Catecismo I - Prólogo (I - A vida do homem - conhecer e amar a Deus)




Prezados leitores,

Hoje pretendo dar início a estudos de catequese. Ao longo de nossos estudos, vamos analisar parágrafo por parágrafo do catecismo e enriquecer nossas leituras com citações da Bíblia, dos Pais e Doutores da Igreja, bem como dos Papas e dos Concílios.

O Catecismo da Igreja Católica e o Catecismo Romano serão nossos guiais principais.

Mãos à obra!

____________________

Em seu Prólogo, o Catecismo da Igreja Católica inicia-se com as seguintes citações:

"PAI, [...] é esta a vida eterna: que Te conheçam a Ti, único Deus verdadeiro, e Aquele que enviaste, Jesus Cristo" (Jo 17, 3). "Deus, nosso Salvador [...], quer que todos os homens se salvem e cheguem ao conhecimento da verdade" (1 Tm 2, 3-4). "Não existe debaixo do céu outro nome, dado aos homens, pelo qual possamos ser salvos" (At 4, 12), senão o nome de JESUS".
Este trecho apresenta-nos três citações bíblicas. Vamos olhá-las um pouco mais de perto. Comecemos pela citação do Evangelho de João:
"PAI, [...] é esta a vida eterna: que Te conheçam a Ti, único Deus verdadeiro, e Aquele que enviaste, Jesus Cristo" (Jo 17, 3).
Percebamos que aqui o autor sagrado utilizou o verbo "conhecer". Mas o que significa o verbo "conhecer" na Bíblia? Para que possamos compreendê-lo com clareza, devemos avaliar outras passagens onde o supracitado verbo é utilizado. No mesmo Evangelho de João, por exemplo, Nosso Senhor diz:
"Eu sou o bom pastor; conheço as minhas ovelhas e as minhas ovelhas me conhecem" (Jo 10, 14)
Este "conhecer" de que trata a Bíblia não se refere a um conhecimento puramente intelectual. Que tipo de conhecimento seria este, então? Ao observarmos as Sagradas Letras, veremos que Deus se faz conhecer ao homem através de Sua aliança, de Suas bençãos e de Seu amor. O homem, por sua vez, conhece a Deus quando é fiel a esta aliança, quando reconhece as bençãos e o amor que lhe são dispensados por Deus.  Eis o sentido bíblico de conhecer a Deus. E é exatamente este conhecimento que Deus quer, pois este possui como pressupostos a obediência e a gratidão, e, assim, deságua, inavariavelmente, no amor:
"Porque é amor que Eu quero e não sacrifícios, conhecimento de Deus mais do que holocaustos" (Os 6, 6)
Passemos a segunda citação bíblica do Catecismo:
 "Deus, nosso Salvador [...], quer que todos os homens se salvem e cheguem ao conhecimento da verdade" (1 Tm 2, 3-4).
Eis a prova máxima do amor de Deus para conosco: Ele quer que todos nós nos salvemos. É justamente este trecho que coloca em grande embaraço os defensores da predestinação, mas esta já é uma outra história...Mas, Deus não quer que nos salvemos de qualquer maneira. Ele também quer que cheguemos "ao conhecimento da verdade" ( ressalto este ponto, pois, muitos, ao longo da história humana, alcançaram a salvação sem conhecer plenamente a verdade revelada, mas apenas pela obediência à lei moral inscrita no coração de cada homem). Ora, o próprio Deus é a Verdade. Se nos lembrarmos que biblicamente "conhecimento" não é um mero ato intelectual, mas sim um agir que demonstra obediência à aliança de Deus, gratidão e amor, perceberemos que este "conhecimento da verdade" que Deus quer para nós, requer um empenho por toda a vida, pois o tempo todo somos tentados a romper com os preceitos divinos e a não Lhe dar a devida honra e glória. Daí a importância de estarmos em constante vigilância.

Vejamos como o Catecismo Romano nos orienta, no parágrafo 10 do Proêmio (destaques meus):
"Como só temos certeza de conhecê-Lo, se observarmos os seus mandamentos, a segunda obrigação, intimamente ligada à que acabamos de estatuir [o Catecismo Romano falara no parágrafo anterior que os fiéis devem querer conhecer de coração a Cristo crucificado], é mostrar que os fiéis não devem viver no ócio e na preguiça, mas que devemos andar como Ele mesmo andou, e com todo o zelo praticar a justiça, a piedade, a fé, a caridade, a mansidão".

Por fim temos a terceira citação:
"Não existe debaixo do céu outro nome, dado aos homens, pelo qual possamos ser salvos" (At 4, 12).
 Este trecho faz uma claríssima alusão ao santo nome de Jesus que significa justamente "Deus salva".


Como poderíamos resumir o que vimos até aqui? Vejamos:
  • Deus quer que O conheçamos;
  • Mas este "conhecer" implica um "agir" que consiste em "obedecer", "ser grato" e "amar" a Deus.  
  • Este conhecimento requer o esforço de uma vida inteira
  • Conhecendo-O mostramos que O amamos e a Seu Filho Unigênito, Nosso Senhor Jesus Cristo, e fora deste nome não há salvação
I - A vida do homem - conhecer e amar a Deus

Após aprendermos que devemos conhecer a Deus, podemos passar para o primeiro parágrafo do catecismo:
"Deus, infinitamente perfeito e bem-aventurado em Si mesmo, num desígnio de pura bondade, criou livremente o homem para o tornar participante da sua vida bem-aventurada. Por isso, sempre e em toda a parte, Ele está próximo do homem. Chama-o e ajuda-o a procurá-Lo, a conhecê-Lo e a amá-Lo com todas as suas forças. Convoca todos os homens, dispersos pelo pecado, para a unidade da sua família que é a Igreja. Para tal, enviou o seu Filho como Redentor e Salvador na plenitude dos tempos. N'Ele e por Ele, chama os homens a tornarem-se, no Espírito Santo, seus filhos adotivos e, portanto, herdeiros da sua vida bem-aventurada".
Este primeiro parágrafo expõe diversos pontos que serão trabalhados ao longo de nosso estudo. Além disso, também sintetiza o que acabamos de ver mais acima. Entretanto, dois pontos nos atrai a atenção: 1° Deus quer que todos nos salvemos e nos chama à salvação, e 2° Deus nos chama para Sua Igreja, que é a Sua família unida. Mas de que forma Deus nos chama? Evidentemente que Ele, apesar de nossas infinitas limitações, faz uso dos homens. Mas será que Deus entregaria a Sua Santa Palavra e os Seus Santos Ensinamentos nas mãos de qualquer um? Vejamos o parágrafo 2:
"Para que este convite se fizesse ouvir por toda a Terra, Cristo enviou os Apóstolos que escolhera, dando-lhes o mandato de anunciar o Evangelho: 'Ide, pois, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo, ensinando-os a cumprirem tudo quanto vos prescrevi. E eis que Eu estou convosco todos os dias até ao fim do mundo'(Mt 28, 19-20). Fortalecidos por esta missão, os Apóstolos 'partiram a pregar por toda a parte e o Senhor cooperava com eles confirmando a Palavra com os sinais que a acom­panhavam' (Mc 16, 20)".
Logo, Nosso Senhor, quando esteve entre nós há dois mil anos, escolheu doze homens que haveriam de repassar Seus ensinamentos de forma íntegra. Estes, por sua vez, cônscios da brevidade da vida e de que a Palavra de Nosso Senhor jamais poderia cair no esquecimento, também fizeram discípulos e os ensinavam a reta doutrina. Assim, percebemos que há, no cristianismo, uma sucessão legítima que remonta aos tempos dos apóstolos. Deve-se ressaltar, ainda, que apenas a Igreja Católica é a mantenedora legítima e lícita desta sucessão.

Quando Cristo fundou a Sua Igreja, fez a esta uma grande promessa. Nosso Senhor prometeu aos apóstolos que estaria com eles até o final dos tempos. No entanto, os apóstolos sabiam que em breve morreriam. Então, como Nosso Senhor estaria com eles até o final dos tempos, sendo que a vida deles não ultrapassaria o século I? Vemos, portanto, que a promessa de Cristo tem que se estender necessariamente aos sucessores legítimos escolhidos pelos apóstolos e assim sucessivamente.

Esta análise relativamente simples joga por terra a tese defendida por alguns de que Cristo de fato fundara a Igreja Católica, mas que esta caiu em heresia no decorrer dos séculos. Se isso houvesse acontecido, dever-se-ia alegar que Nosso Senhor mentiu, pois Ele mesmo prometeu assistência eterna a Sua Igreja. Mas é evidente que Nosso Senhor jamais mentiu. Assim, Ele jamais permitiria que a Sua Igreja, que a Sua noiva, caísse no erro.

Abaixo cito os parágrafos 2, 3 e 4 do Catecismo Romano. Todos os destaques são meus.
"Como, porém, "a fé vem do ouvir"(Rm 10, 17) é fácil averiguar que, para a salvação eterna, sempre houve mister a função e assistência de um mestre fiel e legítimo. Não foi dito: "De que modo hão de ouvir sem pregador? E como hão de pregar, se não forem enviados?" (Rm 10, 14 - 16).
De fato, desde que o mundo é mundo, por grande bondade e clemência, Deus nunca abandonou Suas criaturas. Mas, em muitas ocasiões e de várias maneiras falou a nossos pais pelos Profetas (Hb 1, 1); conforme a época em que viviam, ensinou-lhes um caminho reto e seguro para a bem-aventurança do céu.
Tendo predito que enviaria um mestre de justiça para (Jl 2, 23) para iluminar os povos, e levar sua obra de redenção até os confins da terra (Is 49, 6), Deus falou-nos em último lugar pela boca de Filho (Hb 1, 2). Por uma voz descida do céu, da majestade de Sua glória (2 Pd 1, 17), mandou também que todos O ouvissem, e obedecessem a Seus preceitos (Mt 17,5).
O Filho, porém, a uns fez Apóstolos; a outros, profetas; a outros, pastores e mestres (Ef 4, 11). Deviam eles anunciar a palavra da vida (Jo 6, 64-69), para que não fôssemos levados, como crianças, à mercê de qualquer sopro de doutrina (Ef 4, 14), mas apoiados na sólida base da fé, nos edificássemos a nós mesmos como morada de Deus no Espírito Santo (Ef 2, 22).
Para que, ouvindo a palavra de Deus, ninguém a tomasse como palavra humana, mas pelo que ela é realmente, como palavra de Cristo (1 Ts 2, 13), quis o próprio Nosso Senhor atribuir tanta autoridade ao magistério de seus ministros, que chegou a declarar: 'Quem vos ouve, a Mim é que ouve; e quem vos despreza, a Mim é que despreza' (Lc 10, 16).
Sem dúvida, não queria aplicar estas palavras só aos discípulos, com os quais falava daquela feita, mas também a todos os outros que, por legítima sucessão, a assumissem o encargo de ensinar. A todos eles prometeu assistência, dia por dia, até a consumação dos séculos (Mt 28, 20)".
Vemos, pois, que o Senhor sempre confiara a sua Palavra a homens especialmente escolhidos por Ele nos tempos da Antiga Aliança. Quando, porém, Nosso Senhor veio ao mundo, este fez questão de estabelecer pessoalmente um magistério que guardasse e interpretasse os Seus Ensinamentos. Este magistério deveria, pois, obedecer a uma sucessão. É neste magistério que Cristo fundou Sua Igreja; é nesta Pedra imutável que sempre podemos nos apoiar contra o vendaval de doutrinas que nos assola de tempos em tempos, e que tão logo chegam, rapidamente se esvanecem.

Por isso a Fé vem pelo ouvir, como nos lembra o apóstolo Paulo, e não pelo "ler" como querem muitos. Não se pode amar a Cristo amando apenas parte de sua obra. A Bíblia é, indubitavelmente, toda inspirada pelo Espírito Santo e nela não há qualquer contradição, pois é a própria palavra de Deus, e deve ser nossa guia. Mas esta não é a única fonte de Fé. Há também a Tradição recebida dos apóstolos, daqueles que "ouviram" a Palavra. Assim, apenas a autoridade legítima instituída pelo próprio Cristo é que pode interpretar aquilo que Ele disse, uma vez que o "ouvir", na história cristã, veio antes do "ler". Sabemos que a Bíblia apenas surgira séculos após Cristo. Será que neste intervalo a Palavra da salvação ficou adormecida? De maneira alguma! Ela sempre fora pregada a todos que queriam ouví-la.

O livro dos Atos nos ensina que:
"durante quarenta dias apareceu-lhes [Jesus] e lhes falou do que concerne ao Reino de Deus" (At 1, 3b).
Ora, todas estas coisas que Cristo ensinou por quarenta dias, não estão contidas na Bíblia. Será que Nosso Senhor falou e ensinou coisas inúteis e vãs ao longo deste período? Certamente não. E tudo o que Nosso Senhor ensinou, esteja escrito ou não, fora mantido pela Sagrada Tradição.

Ademais, devemos nos lembrar que
"Nenhuma profecia da Escritura resulta de interpretação particular" (2 Pd 1, 20).
E se não pode haver interpretação particular, então necessariamente tem que haver um magistério instituído pelo próprio Cristo que possa interpretar as Sagradas Escrituras. E este magistério é o que se encontra na Igreja Católica Apostólica Romana.

É claro que o cristão tem o dever de ler a Bíblia, de conhecer a história gloriosa de nossa salvação, mas não de interpretá-la à margem do magistério da Igreja dado que
"Galho de espinhos na mão de bêbado é o provérbio na boca dos insensatos" (Prov 26, 9).
Para encerrar, cito ainda o terceiro parágrafo do Catecismo da Igreja Católica, que conclui a primeira parte do Prólogo:
"Aqueles que, com a ajuda de Deus, aceitaram o convite de Cristo e livremente Lhe responderam, foram por sua vez impelidos, pelo amor do mesmo Cristo, a anunciar por toda a parte a Boa-Nova. Este tesouro, recebido dos Apóstolos, foi fielmente guardado pelos seus sucessores. Todos os fiéis de Cristo são chamados a transmiti-lo de geração em geração, anunciando a fé, vivendo-a em partilha fraterna e celebrando-a na liturgia e na oração".
E vemos que fora exatamente isto que os cristãos sempre fizeram, desde as primeiras gerações (destaques meus):
"Eles mostravam-se assíduos ao ensinamento dos apóstolos, à comunhão fraterna, à fração do pão e às orações" (At 2, 42).
Neste trecho de Atos vemos os cristãos já convertidos recebedo as instruções dos Apóstolos. Estes cristãos também compartilhavam entre si muitas coisas, desde bens até experiências. Assim, o termo comunhão não se limita à ajuda social ou a uma ideologia comum. E qual outra coisa estes cristãos faziam? Fracionavam o pão. Mas, por qual motivo faziam eles isto? Porque Cristo assim os havia ensinado. E quando Ele o fizera? Na Santa Ceia. Era, pois, a fração do Corpo e do Sangue de Cristo, como Ele mesmo o dissera. Era a Eucaristia. Notemos ainda que os Evangelhos foram escritos vários anos após o período citado em Atos (aliás, o próprio livro de Atos foi escrito anos após o período que descreve). Desta feita, como os cristãos sabiam que tinham que cumprir com o preceito eucarístico? Através dos ensinamentos que ouviam dos apóstolos.

E se assim faziam os cristãos primitivos, assim devem fazer os cristãos de todas as épocas : tomar parte no Santo Sacrifício Eucarístico e ouvir o que dizem os apóstolos, representados pelos seus sucessores: os bispos e o Papa. Lembremos que a doutrina de Cristo é eterna...

Assim, aquilo que nos foi transmitido pelos santos Apóstolos, e ainda hoje é transmitido pelos seus sucessores, deve ser propagado por todos aqueles que disseram "sim" à mensagem de Nosso Senhor. Mas esta propagação da Boa-Nova deve estar em consonância plena com aquilo que ensina o magistério da Igreja, o qual fora instituído pelo próprio Cristo. Pois, "um reino dividido não subsiste" (Lc 11, 17). Daí a Igreja subsistir após tantos séculos passando pelas mais variadas vicissitudes, pois ela sempre manteve sua unidade.

Bem, chegamos ao fim desta primeira parte. Sei que muitas dúvidas podem surgir e muitos pontos ainda estão muito obscuros. Mas, paciência! No decorrer de nosso estudo, todos estes pontos serão aclarados.

Que Nossa Senhora interceda por nós e nos dê sempre forças para a cada dia querermos conhecer mais e mais a Nosso Senhor!

Pax Domini Sit Semper Vobiscum

William Bottazzini Rezende

sábado, 30 de outubro de 2010

Católicos, voltem para casa!

video

A postagem deste vídeo visa a um duplo objetivo:

1) Fazer com que aqueles que estão afastados da Santa Igreja possam refletir melhor e retornar, e;
2) Fazer com que aqueles já são católicos aprendam a amar e a conhecer a Igreja cada vez mais.

Pax Domini Sit Semper Vobiscum

William

quarta-feira, 27 de outubro de 2010

Santa Brígida: copadroeira da Europa


A seguir reproduzo na íntegra uma catequese feita pelo Papa Bento XVI acerca de Santa Brígida.

Como nos é reconfortante saber de grandes personagens que passaram por esta Terra e que permaneceram fiéis a Cristo e a Sua Igreja, apesar de todas as vicissitudes da vida e dos tempos. E justamente nas dificuldades encontraram meios de se fortalecerem na Fé. Que as vidas dos Santos nos sirvam de exemplo durante a nossa peregrinação!

Verba movent, exempla trahunt.

Todos os negritos neste texto são meus.

________________________________________________________________________

Queridos irmãos e irmãs:

Na fervente vigília do Grande Jubileu do ano 2000, o Venerável Servo de Deus João Paulo II proclamou Santa Brígida da Suécia como copadroeira de toda a Europa. Nesta manhã, eu gostaria de apresentar sua figura, sua mensagem e as razões pelas quais esta santa mulher tem muito a ensinar - ainda hoje - à Igreja e ao mundo.

Conhecemos bem os acontecimentos da vida de Santa Brígida, porque seus pais espirituais redigiram sua biografia para promover seu processo de canonização imediatamente depois da sua morte, ocorrida em 1373. Brígida havia nascido 70 anos antes, em 1303, em Finster, na Suécia, uma nação do norte da Europa que, três anos antes, havia acolhido a fé cristã com o mesmo entusiasmo com que a santa a havia recebido dos seus pais, pessoas muito piedosas, pertencentes a famílias nobres, próximas da casa reinante.

Podemos distinguir dois períodos na vida desta santa. O primeiro se caracterizou pela sua condição de mulher felizmente casada. Seu marido se chamava Ulf e era governador de um importante distrito do reino da Suécia. O matrimônio durou 28 anos, até a morte de Ulf. Nasceram 8 filhos, dos quais a segunda, Karin (Catarina), é venerada como santa. Isso é um sinal eloquente do compromisso educativo de Brígida com relação aos seus próprios filhos. No demais, sua sabedoria pedagógica era tão apreciada, que o rei da Suécia, Magnus, chamou-a à corte por certo tempo, com o fim de introduzir sua jovem esposa, Branca de Namur, na cultura sueca.

Brígida, espiritualmente guiada por um doutor religioso que a iniciou no estudo das Escrituras, exerceu uma influência muito positiva em sua própria família que, graças à sua presença, converteu-se em uma verdadeira "igreja doméstica". Junto ao seu marido, adotou a Regra dos terciários franciscanos. Praticava com generosidade obras de caridade com os indigentes; também fundou um hospital. Junto à sua esposa, Ulf aprendeu a melhorar seu caráter e a progredir na vida cristã. Ao voltar de uma longa peregrinação a Santiago de Compostela, em 1341, junto a outros membros da família, os esposos amadureceram o projeto de viver em continência; mas pouco depois, na paz de um mosteiro no qual se havia retirado, Ulf concluiu sua vida terrena.

Este primeiro período da vida de Brígida nos ajuda a valorizar o que hoje poderíamos definir como uma autêntica "espiritualidade conjugal": juntos, os esposos cristãos podem percorrer um caminho de santidade, sustentados pela graça do sacramento do Matrimônio. Muitas vezes, precisamente como aconteceu na vida de Santa Brígida e de Ulf, é a mulher quem, com sua sensibilidade religiosa, com a delicadeza e a doçura, consegue fazer que o marido percorra um caminho de fé. Penso, com admiração, em tantas mulheres que, dia a dia, ainda hoje iluminam suas próprias famílias com seu testemunho de vida cristã. Que o Espírito do Senhor possa suscitar também hoje a santidade dos esposos cristãos, para mostrar ao mundo a beleza do matrimônio vivido segundo os valores do Evangelho: o amor, a ternura, a ajuda recíproca, a fecundidade em gerar e educar filhos, a abertura e a solidariedade com o mundo, a participação na vida da Igreja.

Quando Brígida ficou viúva, começou o segundo período da sua vida. Ela renunciou a outro casamento para aprofundar na união com o Senhor através da oração, da penitência e das obras de caridade. Também as viúvas cristãs, portanto, podem encontrar nesta santa um modelo a seguir. De fato, Brígida, quando seu marido morreu, após ter distribuído seus próprios bens aos pobres, ainda sem ter pensado na consagração religiosa, estabeleceu-se no mosteiro cisterciense de Alvastra. Lá começaram as revelações divinas, que a acompanharam pelo resto da vida. Estas foram ditadas por Brígida aos seus secretários-confessores, que as traduziram do sueco ao latim e as recolheram em uma edição de oito livros, intitulados Revelationes (Revelações). A esses livros se acrescentou um suplemento, que tem como título Revelationes extra vagantes (Revelações complementares).

As Revelações de Santa Brígida apresentam um conteúdo e um estilo muito variados. Às vezes, a revelação se apresenta sob a forma de diálogos entre as Pessoas divinas, Nossa Senhora, os santos e também os demônios; são diálogos nos quais também Brígida intervém. Outras vezes, no entanto, trata-se da narração de uma visão particular; em outras, narra-se o que a Virgem Maria lhe revela sobre a vida e os mistérios do seu Filho. O valor das Revelações de santa Brígida, às vezes objeto de dúvida, foi reconhecido pelo Venerável João Paulo II na carta Spes Aedificandi: "Reconhecendo a santidade de Brígida - escreve meu amado predecessor -, a Igreja, ainda sem pronunciar-se sobre cada uma das revelações, acolheu a autenticidade conjunta da sua experiência interior" (n. 5).

De fato, lendo estas Revelações, somos interpelados sobre muitos temas importantes. Por exemplo, descreve frequentemente, com detalhes muito realistas, a Paixão de Cristo, à qual Brígida teve sempre uma devoção privilegiada, contemplando nela o amor infinito de Deus pelos homens. Na boca do Senhor que lhe fala, ela coloca com audácia estas comoventes palavras: "Ó amigos meus, eu amo tão ternamente minhas ovelhas que, se fosse possível, eu gostaria de morrer muitas outras vezes por cada uma delas, da mesma morte que sofri pela redenção de todas" (Revelationes, Livro I, c. 59). Também a dolorosa maternidade de Maria, que fez dela a Mediadora e Mãe de misericórdia, é um tema que se repete com frequência nas Revelações.

Recebendo esse carisma, Brígida era consciente de ser destinatária de um dom de grande predileção por parte do Senhor: "Minha filha - lemos no primeiro livro das revelações -, Eu a escolhi para mim, ama-me com todo o teu coração, (...) mais do que tudo que existe no mundo" (c. 1). No demais, Brígida sabia bem - e estava firmemente convencida disso - que todo carisma está destinado à edificação da Igreja. Precisamente por esse motivo, muitas de suas revelações estavam dirigidas, em forma de advertências inclusive severas, aos fiéis da sua época, incluindo as autoridades religiosas e políticas, para que vivessem coerentemente sua vida cristã; mas fazia isso com uma atitude de respeito e de fidelidade plena ao Magistério da Igreja, em particular ao Sucessor do apóstolo Pedro.

Em 1349, Brígida deixou para sempre a Suécia e se dirigiu em peregrinação a Roma. Não queria somente participar do Jubileu de 1350, mas também desejava obter do Papa a aprovação da Regra de uma ordem religiosa que queria fundar, dedicada ao Santo Salvador e composta por monges e monjas sob a autoridade da abadessa. Este é um elemento que não deve nos surpreender: na Idade Média, existiam fundações monásticas com um ramo masculino e um ramo feminino, mas com a prática da mesma regra monástica, que previa a direção da abadessa. De fato, na grande tradição cristã, a mulher é reconhecida com dignidade própria e - a exemplo de Maria, Rainha dos apóstolos - um lugar próprio na Igreja, que, sem coincidir com o sacerdócio ordenado, é também importante para o crescimento espiritual da comunidade. Além disso, a colaboração de consagrados e consagradas, sempre no respeito pela sua vocação específica, é de grande importância no mundo de hoje.

Em Roma, em companhia de sua filha Karin, Brígida se dedicou a uma vida de intenso apostolado e de oração. E de Roma foi, em peregrinação, a vários santuários italianos, em particular a Assis, pátria de São Francisco, a quem Brígida sempre teve grande devoção. Finalmente, em 1371, realizou seu maior desejo: a viagem à Terra Santa, aonde se dirigiu em companhia dos seus filhos espirituais, um grupo ao qual Brígida chamava de "os amigos de Deus".

Durante esses anos, os pontífices se encontravam em Avinhão, longe de Roma: Brígida se dirigiu encarecidamente a eles, para que voltassem à Sé de Pedro, na Cidade Eterna.

Faleceu em 1373, antes que o Papa Gregório XI voltasse definitivamente a Roma. Foi sepultada provisoriamente na igreja romana de San Lorenzo in Panisperna, mas em 1374, seus filhos Birger e Karin a levaram à sua pátria, ao mosteiro de Vadstena, sede da ordem religiosa fundada por Santa Brígida, que logo depois teve uma notável expansão. Em 1391, o Papa Bonifácio IX a canonizou solenemente.

A santidade de Brígida, caracterizada pela multiplicidade dos dons e das experiências que eu quis recordar neste breve perfil biográfico-espiritual, faz dela uma figura eminente na história da Europa. Procedente da Escandinávia, Santa Brígida testemunha como o cristianismo havia permeado profundamente a vida de todos os povos desse continente. Declarando-a copadroeira da Europa, o Papa João Paulo II desejou que Santa Brígida - que viveu no século XIV, quando a cristandade ocidental ainda não havia sido ferida pela divisão - possa interceder eficazmente diante de Deus, para obter a graça tão esperada da plena unidade de todos os cristãos. Por esta mesma intenção, que consideramos tão importante, e para que a Europa saiba alimentar-se sempre das suas próprias raízes cristãs, queremos rezar, queridos irmãos e irmãs, invocando a poderosa intercessão de Santa Brígida da Suécia, fiel discípula de Deus, copadroeira da Europa.

segunda-feira, 25 de outubro de 2010

Católico e socialista x católico ou socialista




Devo admitir que me fora muito difícil publicar o título deste texto da forma como foi escrito, pois as palavras "católico" e "socialista" repelem-se mutuamente.

Já ouço muitos dizerem: "Nossa! Eu me considero um católico praticante, devoto e ao mesmo tempo preocupado com as causas sociais e em resolver as desigualdades existentes e provocadas pelo sistema capitalista, burguês...". (Aqui dá-se início a um discurso infinito contra o latifúndio, a burguesia, o consumismo e outros).

Ou ainda: "Não se pode falar assim! 'Beltrano' é socialista, é político e muito católico! Até escreve livros sobre religião!"

E mais: "Como assim? O bispo da minha diocese (e/ou o padre da paróquia) apóia o candidato socialista 'x'. Ele está errado?"

Veremos que posições como estas são contrárias à Fé Católica. Primeiramente, porém, quero fazer algumas ponderações.

De fato, o capitalismo apresenta diversos traços negativos, podendo ser considerado grosso modo como "muito ruim". É no capitalismo que o homem se transformará em um mero acumulador de riquezas. Tudo é pensado de forma a se obter o máximo lucro. E para demonstrar que o capitalismo não é exatamente uma escolha maravilhosa, a Igreja sempre o crítica em seus aspectos que ferem a moral.

"Uma teoria que faça do lucro a regra exclusiva e o fim último da atividade econômica, é moralmente inaceitável. O apetite desordenado do dinheiro não deixa de produzir os seus efeitos perversos e é uma das causas dos numerosos conflitos que perturbam a ordem social (165)" (Catecismo da Igreja Católica, § 2424).

Sem embargo, ao menos dois aspectos presentes no capitalismo são positivos:

a) o direito à propriedade, e
b) o direito à livre iniciativa.

Estes dois pontos positivos do capitalismo são destruídos pelo socialismo, tornando este sistema incrivelmente perverso, dado que este tende a cercear a liberdade humana cada vez mais para que se tenha uma sociedade sem desigualdades. E é nisso que o socialismo se torna "péssimo".

Basta ler qualquer livro de história do século XX para se ver o que aconteceu nos regimes de esquerda ao redor do mundo. Os "salvadores da pátria" arruinaram seus respectivos povos moral e economicamente. O interessante disso tudo é ver sempre alguém empurrando o problema para trás: "Ah, só não deu certo porque não foi feito como 'fulano' ensinara"; e, assim, o socialismo vai sufocando a si mesmo e a outros, tentando ainda achar alguém que o implemente "da maneira correta". Este sistema considera o homem apenas como um "animal que trabalha", segundo a definição de Engels. Em nome de uma pretensa igualdade arrancam-se aos homens a liberdade e os direitos mais básicos. Não obstante, ao mesmo tempo em que é um "animal que trabalha", o homem é também o salvador de si mesmo e cabe a ele criar aqui na Terra um paraíso, onde todos sejam iguais e vivam em perene abundância.

Entretanto, não podemos nos enganar e pensar que capitalismo e socialismo são termos completamente contraditórios. Na realidade, os dois possuem uma origem comum, e é o desenvolver de um que levará inexoravelmente ao outro. É o capitalismo mais liberal que conduzirá à mais violenta ditadura do proletariado. Talvez eu escreva mais a este respeito em um outro momento.

Por ora, faço questão de destacar o que a Igreja nos ensina no Catecismo da Igreja Católica acerca dos dois sistemas econômicos:

"A Igreja rejeitou as ideologias totalitárias e ateias, associadas, nos tempos modernos, ao 'comunismo' ou ao 'socialismo'. Por outro lado, recusou, na prática do 'capitalismo', o individualismo e o primado absoluto da lei do mercado sobre o trabalho humano (167). Regular a economia só pela planificação centralizada perverte a base dos laços sociais: regulá-la só pela lei do mercado é faltar à justiça social, «porque há numerosas necessidades humanas que não podem ser satisfeitas pelo mercado» (168). É necessário preconizar uma regulação racional do mercado e das iniciativas económicas, segundo uma justa hierarquia dos valores e tendo em vista o bem comum" (Catecismo da Igreja Católica, § 2425, grifos e sublinhados meus).

Poderão indagar-me: "William, parece-me que a Igreja deixa em aberto a questão sobre o sistema econômico a ser adotado, uma vez que ela faz críticas contundentes a ambos". No entanto, devemos ter em mente que o que o Catecismo faz é:

"(...) apresentar uma exposição orgânica e sintética dos conteúdos essenciais e fundamentais da doutrina católica (...)" (Catecismo da Igreja Católica, § 11, grifos e sublinhados meus).

Assim, o Catecismo mostra o caminho, mas cabe ao catecúmeno percorrê-lo. E ao percorrer o caminho indicado pelo Catecismo, encontraremos o seguinte parágrafo:

"Mas a socialização também oferece perigos. Uma intervenção exagerada do Estado pode constituir uma ameaça à liberdade e às iniciativas pessoais. A doutrina da Igreja elaborou o princípio dito da subsidiariedade. Segundo ele, 'uma sociedade de ordem superior não deve interferir na vida interna duma sociedade de ordem inferior, privando-a das suas competências, mas deve antes apoiá-la, em caso de necessidade, e ajudá-la a coordenar a sua ação com a dos demais componentes sociais, com vista ao bem comum' (7)" (Catecismo da Igreja Católica, § 1883, destaques meus).

Observem, caros leitores, que há um número "7" no final do trecho citado. Ora, este número nos remete a outros textos indicados nas referências. E a quais textos ele nos remete? Justamente às Encíclicas Quadragesimo Anno escrita pelo papa Pio XI em 1931 e Centesimus Annus escrita por João Paulo II no ano 1991. Notem ainda, queridos leitores, que ambas as Encíclicas foram nomeadas fazendo referência a uma determinada quantidade de anos: uma fala do "Quadragésimo Ano" e a outra do "Centésimo Ano". Mas, "centésimo" e "quadragésimo" em relação  a quê? A resposta é: em relação à Encíclica Rerum Novarum escrita por Leão XIII em 1891.

Desta feita, as três Encíclias citadas no parágrafo anterior cuidarão de tratar do mesmo tema. E peço encarecidamente para os "espertinhos" que poderiam alegar petulantemente: "Negativo! Isso foi o papa 'x' que alegou naquele tempo, hoje as coisas mudaram", que prestem atenção nas datas e veja que quem fala é a própria Igreja zelando pelos seus filhos continuamente. Ela falou em 1891, em 1931 e, mais recentemente, em 1991. Ou seja, veremos que o socialismo fora condenado na "infância", "na juventude" e na "velhice". E o que dizem os Papas?

Vamos seguir a ordem cronológica e começar por Leão XIII e sua Rerum Novarum.

"Os Socialistas, para curar este mal [a exploração do homem pelo homem], instigam nos pobres o ódio invejoso contra os que possuem, e pretendem que toda a propriedade de bens particulares deve ser suprimida, que os bens dum indivíduo qualquer devem ser comuns a todos, e que a sua administração deve voltar para - os Municípios ou para o Estado. Mediante esta transladação das propriedades e esta igual repartição das riquezas e das comodidades que elas proporcionam entre os cidadãos, lisonjeiam-se de aplicar um remédio eficaz aos males presentes. Mas semelhante teoria, longe de ser capaz de pôr termo ao conflito, prejudicaria o operário se fosse posta em prática. Pelo contrário, é sumamente injusta, por violar os direitos legítimos dos proprietários, viciar as funções do Estado e tender para a subversão completa do edifício social" (n° 3, destaques meus).

"Mas, além da injustiça do seu sistema, vêem-se bem todas as suas funestas consequências, a perturbação em todas as classes da sociedade, uma odiosa e insuportável servidão para todos os cidadãos, porta aberta a todas as invejas, a todos os descontentamentos, a todas as discórdias; o talento e a habilidade privados dos seus estímulos, e, como consequência necessária, as riquezas estancadas na sua fonte; enfim, em lugar dessa igualdade tão sonhada, a igualdade na nudez, na indigência e na miséria. Por tudo o que Nós acabamos de dizer, se compreende que a teoria socialista da propriedade coletiva deve absolutamente repudiar-se como prejudicial àqueles membros a que se quer socorrer, contrária aos direitos naturais dos indivíduos, como desnaturando as funções do Estado e perturbando a tranquilidade pública. Fique, pois, bem assente que o primeiro fundamento a estabelecer por todos aqueles que querem sinceramente o bem do povo é a inviolabilidade da propriedade particular. Expliquemos agora onde convém procurar o remédio tão desejado" (n° 7, destaques meus).

Mais adiante o Papa vai clamar por concórdia entre as classe, e não, luta.

A seguir, Pio XI, na Quadregesimo Anno, será ainda mais enfático ao tratar da evolução do socialismo.

"Não menos profunda que a da economia, foi desde o tempo de Leão XIII a evolução do socialismo, contra o qual principalmente terçou armas o Nosso Predecessor. Então podia ele dizer-se único, defendia uma doutrina bem definida e reduzida a sistema; depois dividiu-se em duas facções principais, de tendências pela maior parte contrárias, e irreconciliáveis entre si, conservando porém ambas o princípio fundamental do socialismo primitivo, contrário à fé cristã". (III, 2, destaques meus).

"E se este erro, como todos os mais, encerra algo de verdade, o que os Sumos Pontífices nunca negaram, funda-se contudo numa própria concepção da sociedade humana, diametralmente oposta à verdadeira doutrina católica. Socialismo religioso, socialismo católico são termos contraditórios : ninguém pode ser ao mesmo tempo bom católico e verdadeiro socialista". (III, 2, destaques meus).

E, por fim, cito a Centesimus Annus de João Paulo II:

"Aprofundando agora a reflexão delineada, e fazendo ainda referência ao que foi dito nas Encíclicas Laborem exercens e Sollicitudo rei socialis, é preciso acrescentar que o erro fundamental do socialismo é de caráter antropológico. De fato, ele considera cada homem simplesmente como um elemento e uma molécula do organismo social, de tal modo que o bem do indivíduo aparece totalmente subordinado ao funcionamento do mecanismo económico-social, enquanto, por outro lado, defende que esse mesmo bem se pode realizar prescindindo da livre opção, da sua única e exclusiva decisão responsável em face do bem ou do mal. O homem é reduzido a uma série de relações sociais, e desaparece o conceito de pessoa como sujeito autônomo de decisão moral, que constrói, através dessa decisão, o ordenamento social. Desta errada concepção da pessoa, deriva a distorção do direito, que define o âmbito do exercício da liberdade, bem como a oposição à propriedade privada. O homem, de facto, privado de algo que possa «dizer seu» e da possibilidade de ganhar com que viver por sua iniciativa, acaba por depender da máquina social e daqueles que a controlam, o que lhe torna muito mais difícil reconhecer a sua dignidade de pessoa e impede o caminho para a constituição de uma autêntica comunidade humana" (II, 13, destaques meus).

"Aquele Pontífice [Papa Leão XIII], com efeito, previa as consequências negativas, sobre todos os aspectos — político, social e econômico — de uma organização da sociedade, tal como a propunha o 'socialismo', que então estava ainda no estado de filosofia social e de movimento mais ou menos estruturado. Alguém poderia admirar-se do fato de que o Papa começasse pelo 'socialismo', a crítica das soluções que se davam à 'questão operária', quando ele ainda não se apresentava — como depois aconteceu — sob a forma de um Estado forte e poderoso, com todos os recursos à disposição. Todavia Leão XIII mediu bem o perigo que representava, para as massas, a apresentação atraente de uma solução tão simples quão radical da 'questão operária'. Isto torna-se tanto mais verdadeiro se se considera em função da pavorosa situação de injustiça em que jaziam as massas proletárias, nas Nações há pouco industrializadas". (II, 12, destaques meus).

Posso imaginar alguns protestos: "Muito bem, a Igreja mostra os problemas do socialismo e o condena, mas dá ela alguma solução para as desigualdades existentes, haja vista também as críticas ao capitalismo?" A resposta a estas (e eventuais outras) perguntas pode ser encontrada na leitura integral dos textos destas Encíclicas disponíveis no site do Vaticano:




Vemos pois que, segundo a doutrina da Igreja, não se pode se considerar católico e socialista ao mesmo tempo. É preciso tomar uma decisão definitiva quanto a este aspecto. É lamentável vermos candidatos a cargos políticos que defendem abertamente o socialismo e se dizem católicos. Ou se trata de um desconhecimento completo dos ensinamentos da Igreja; ou, então, de um total oportunismo, o qual antes das eleições verifica qual é a religião dominante em determinada região para se juntar a ela o mais rápido possível. Religião, para estas pessoas, é um afluente de votos. Daí simplesmente escolherem a religião da maioria. Lamentavelmente, vemos que em nosso país parece não haver alternativa que faça frente ao pensamento político e econômico socialista.

Libera nos, Domine das doutrinas socialistas e principalmente dos "católicos socialistas", pois estes, na verdade, não são católicos! Que serão eles, então? Melhor nem responder...Apenas nos basta saber que estão em flagrante desobediência ao que determina a Igreja que dizem seguir.

O ensino da Igreja condena o socialismo em quaisquer de suas vertentes e obriga o fiel a uma decisão definitiva:

Ser católico ou ser socialista?

A caridade obriga-me a rogar ao Pai para que os nossos leitores optem pela primeira alternativa.

A Igreja nos traz, ao longo de dois mil anos, a mensagem de Nosso Senhore Jesus Cristo e, consequentemente, a salvação; já o socialismo, nem dois séculos possui de vida e seus frutos se mostraram podres e amargos.

Lembremos que impérios, reinos, países,  filosofias, doutrinas e religiões surgem e passam, mas a Santa Igreja de Cristo existe para sempre.

Pax Christi Sit Semper Vobiscum

William Bottazzini



A Igreja era contra a dissecação dos cadáveres?

Um mito na aula de anatomia

Leonardo da Vinci dissecou um paciente idoso e não teve nenhum problema com isso, observa Christopher Howse.

Por Christopher Howse
10 de junho de 2009

Eu achava que era imune a mitos populares e a erros do vulgo quando o tema versava sobre ciência e religião. Quase ninguém acreditava em uma Terra plana na Idade Média, eu já sabia disso. Também não pensava quimericamente que Einstein acreditava em um Deus pessoal como o da Bíblia.

Mas eu fiquei abalado ao descobrir que estava errado ao supor que a Igreja medieval proibia a dissecação humana. A desilução veio da parte da Katharine Park, de Harvard, autora de uma história da dissecação humana. Eu não li a obra, pois esta poderia interferir em meu descanso noturno, mas li o capítulo escrito pela autora em um livro esplêndido chamado Galileo Goes to Jail and Other Myths about Science and Religion (Harvard, R$ 20,95).

O editor do livro e mais 11 de seus 25 colaboradores são agnósticos ou ateus, mas tomam o cuidado de “deixar as coisas bem claras". A eles juntam-se nesta tarefa sete protestantes, um judeu, um muçulmano, um budista, um católico devoto e um espinosista - que, como Einstein, acredita em uma espécie de Deus de ordem cósmica.

Minha ideia ignorante era de que a Igreja medieval havia sido hostil a aulas de anatomia que faziam uso de cadáveres humanos. Eu teria aceitado a alegação de que o Papa Bonifácio VIII as havia banido em uma Bula intitulada “Feritatis Detestande” ("Da detestável crueldade") em 1299.

Por que não? Nossos corpos são feitos para ser templos do Espírito Santo e não podem ser submetidos a qualquer uso antigo. Nós não devemos mutilar-nos, como, segundo se alega, Orígenes o fizera. Sabemos, aliás, que os nossos corpos ressuscitarão -  claro que não seríamos tolos o bastante a ponto de recear que a falta de pedaçoes impediria Deus de cumprir a sua promessa a este respeito. Nós reverenciamos os restos mortais de santos, pois eles se referem às suas vidas santas, e nós tratamos os corpos dos mortos com cortesia piedosa, porque eles eram parte de um ser humano feito à imagem de Deus.

Então Vesalius, o anatomista do século XVI, segundo escreve Andrew Dickson Wright em seu History of the Warfare of Science with Theology in Christendom
(1896) "arriscou passar pelos perigos mais terríveis e, especialmente, a acusação de sacrilégio, fundamentada nos ensinamentos da Igreja". Mas a coisa não é assim, conforme explica a professora Park.

A dissecação humana não parece ter sido praticada regularmente nas culturas pagã, judaica, cristã ou muçulmana antes do final do século 13, segundo escreve, exceto por alguns estudiosos gregos no terceiro século a.C. em Alexandria.

A dissecação a serviço de ensino e da pesquisa teve o seu início em Bolonha no ano de 1300, inspirada pelo interesse renovado nas obras de Galeno, escritor do segundo século. O primeiro livro de anatomia acerca da dissecação humana foi escrito por Mondino de’ Liuzzi (1275-1326), e foi um marco no ensino universitário do século XVI. Da Itália, a dissecação espalhou-se pelo norte, sendo realizada em universidades de ambas as regiões, católicas e protestantes, no século XVI.

O que a Bula de Bonifácio proibia era ferver a carne dos cadáveres a partir dos ossos como uma prática funerária. A proibição foi tomada de forma estrita, e Mondino observou que esta o impedia de ferver os ossos da orelha a fim de torná-los mais fáceis de serem analisados. Mas poderiam ser concedidas dispensas à lei.

Não conheço nenhum caso em que um anatomista fora processado”, escreve a professora Park , “e nenhum caso em que a Igreja haja rejeitado o pedido de dispensa.”

Os anatomistas não roubavam os túmulos porque a dissecação era proibida. O roubo a tumúlos era proibido tanto pelas autoridades eclesiásticas quanto pelas seculares, antes e depois de os anatomistas terem recorrido a ele. Os cadáveres eram roubados porque as famílias não queriam que seus parentes fossem publicamente dissecados. A exposição de parentes mortos era vergonhosa, mas autopsias privadas eram realizadas sem medos.

Assim, Leonardo dissecou um paciente idoso que havia sido seu amigo no hospital de Santa Maria Nova, em Florença. Como artista, ele não tinha legitimidade para pedir um cadáver para realizar uma pesquisa médica, mas ele não teve problemas com isso.

Devo meus agradecimentos à professora Park por desvencilhar-me da teia de um mito falso. Agora é respirar ar fresco.

Traduzido por William Bottazzini




domingo, 24 de outubro de 2010

A qual Igreja pertenciam os primeiros cristãos?

        
Talvez o seguinte diálogo lhe seja familiar:

A - Você já ouviu falar de Jesus?
B - Ahnn...já...
A - Posso perguntar de qual igreja você é?
B - Bem, eu sou católico...
A - Ah! Você sabia que o que Jesus quer é que sirvamos a ele e que obedeçamos a tudo o que Ele manda na Bíblia? Jesus nunca fundou nenhuma igreja! E nem me venha com a citação daquela passagem do Evangelho de Mateus (cf. Mt 16, 17-18), sabemos que os cristãos primitivos não possuíam igreja nenhuma.

(Curioso é que, pouco depois, a pessoa "A" do diálogo vá convidar "B" para assistir a um "culto" na sua "igreja"...)
E o tal católico em questão pode apresentar uma das duas reações bem típicas: ele escandaliza-se com a petulância de seu pretenso evangelizador (o qual no decorrer do diálogo começa a adjetivar a Igreja com termos pouco fraternos), mas nada responde e finge que o que está acontecendo não é com ele; ou, então, começa a ficar cada vez mais interessado naquilo que estão lhe dizendo e a cada segundo faz uma cara de "Puxa! Como eu nunca tinha pensado nisso?!".

É provável que você, caro leitor, já tenha estado em uma das duas posições de nosso diálogo hipotético.

Não pretendo neste texto fazer uma exegese do trecho de Mateus citado acima. Devo admitir que eu não consigo entender porque tornam este trecho do Evangelho, o qual é por si só claríssimo, tão polêmico e tão controverso.

Os adversários do catolicismo lançam diversos argumentos para tentar incutir a ideia de que Nosso Senhor jamais fundara qualquer Igreja ou instituição, e muito menos a Igreja Católica. Os mais clássicos são os seguintes: a Igreja Católica foi fundada por Constantino em meados do século IV (não se sabe quando exatamente, se antes ou depois do Concílio Ecumênico de Niceia); os cristãos primitivos jamais pertenceram a nenhuma instituição específica; nunca fora instituída por Cristo uma autoridade visível que devesse regular a doutrina cristã; entre outras coisas.

Para estas pessoas, o cristianismo funciona mais ou menos sob o seguinte esquema: Deus toma a forma humana e vem ao encontro do homem ensinar-lhe a salvação, o que é algo bastante sério, convenhamos. Mas este Deus não se preocupa em deixar desde o começo tudo muito bem claro acerca das coisas que devem ser feitas. Não! Ele simplesmente vai embora e deixa tudo aí, espalhado. Ele quer que cada um tenha a sua própria interpretação daquilo que Ele ensinou. E, assim, mesmo com ensinamentos completamente divergentes, todos aqueles que têm fé e ficam apenas com a Bíblia (a qual só foi aparecer séculos após Cristo) já estão salvos. Fácil, não?

Não, não é tão fácil assim. Acontece que, para os que atacam a Igreja, tudo aquilo que Jesus ensinou há dois mil anos foi interpretado de maneira equivocada. Deus parece ter ficado esperando alguém interpretar corretamente a doutrina da salvação, mas enquanto isso não acontecia, infelizmente, ia todo mundo para o inferno. Até que um belo dia, centenas ou milhares de anos após a vinda de Jesus, surge um "profeta" que vai ensinar aos cristãos a verdadeira fé. Pobres cristãos! Ficaram tantos anos na ignorância e só agora Deus envia um "profeta"...confesso que, ao menos para mim, seria difícil amar a um Deus assim, que permite que caminhemos no erro por tantos e tantos anos. Coitados de meus antepassados que não puderam conhecer a "verdade"!

E o mais curioso é ver todas estas "verdades" proclamadas por aí dividindo-se cada vez mais, tornando-se cada vez mais "verdadeiras"...

É evidente que a verdade é una, e o erro é múltiplo. Há várias soluções erradas para 2 + 2, mas apenas uma verdadeira, apenas uma correta.

Em primeiro lugar é certo que Deus não iria deixar a sua mensagem vazia por séculos e séculos. É claro também que este mesmo Deus que se fez homem, e homem perfeito, não deixaria a Sua Igreja imersa no caos, sem qualquer diretriz. Ora, quem ama cuida. Será que Deus, amando-nos como nos ama, permitiria que ficássemos sem qualquer tipo de cuidado? Não, não permitiria.

A Verdade tão preciosa ensinada por este Deus não poderia ficar perdida por séculos. Ela deveria ter uma aplicação imediata e eterna. E o próprio Cristo, ao confiar aos homens a guarda de seus ensinamentos, teria que estar junto à instituição reponsável pela guarda da Verdade e guiá-la pelos séculos sob a inspiração do Espírito Santo. Mas, não é isso que lemos no trecho de Mateus? Então, a instituição que verdadeiramente conserva integralmente os ensinamentos de Nosso Senhor tem, necessariamente, que ter os mesmos dois mil anos que nos separam de Cristo. Deus não permitiria que vivêssemos nem sequer um dia nas trevas da mentira, muito menos anos e anos.

Desde que a Igreja começou a propagar-se, começaram a pulular aqui e acolá seitas que tinham a pretensão de ser "a única igreja de Cristo". Esta triste realidade não é privilégio de nosso tempo, uma vez que já nos primeiros séculos podemos observar este fenômeno. Uns negavam isto, outros aquilo, outros ainda achavam que tal ensinamento deveria ser acrescentado à doutrina para deixá-la, digamos, mais atualizada. E como os cristãos que haviam sido instruídos pelos apóstolos se comportavam? Vejamos:

Sto. Inácio de Antioquia, bispo de Antioquia e que havia convivido com os apóstolos, nos alerta já no século I:

"Onde comparecer o Bispo, aí esteja a multidão, do mesmo modo que, onde estiver Cristo Jesus, aí está a Igreja Católica" (Epístola aos Esmirsenses c.8, 2, sublinhado meu).

"Ah!", clamarão nossos adversários, "Imagine! Todos sabemos que a palavra "católico" significa universal, e não uma instituição específica!". Curioso é que Sto. Inácio, de qualquer modo, atesta existir uma fé que é universal e é a mesma em todos os lugares, com os mesmos ensinamentos. Acaso é assim em qualquer denominação protestante? Qual seria, então, a única instituição com dois mil anos de existência onde os seus ensinamentos doutrinários são os mesmos para qualquer parte da Terra? Qual a única instituição que jamais alterou o que fora ensinado por Cristo e pelos apóstolos, embora seja taxada de "antiquada", na melhor das hipóteses?

Aliás, Sto. Inácio era bispo de Antioquia e ele viveu duzentos anos antes de Constantino. Mas, se Sto. Inácio era bispo, quem o havia erigido como tal, sendo que não havia, nos primórdios do cristianismo, qualquer autoridade visível? Será que Sto. Inácio um belo dia acordou e disse: "Ah! Hoje estou com vontade de tornar-me bispo"! E ainda, mesmo que ele tivesse se auto-proclamado bispo, só poderia ter sido bispo de alguma igreja, correto? Entretanto, Sto. Inácio não se auto-proclamou bispo, visto que sua autoridade era respeitada por cristãos "de toda a Igreja Católica espalhada por toda a Terra", conforme a igreja localizada em Esmirna escreve (Epístola aos Esmirsenses c.8). É patente, pois, que havia uma hierarquia na igreja primitiva, hierarquia que deveria ser respeitada e que era encarregada de consagrar os bispos da única Igreja de Cristo.

E o que dizer de S. Clemente de Alexandria, que viveu no segundo século? Já no segundo século havia um grande número de heresias. Um dia, os fiéis procuram Clemente e lhe indagam:

"Como se pode crer, se há tanta divergência de heresias, e assim a própria verdade nos distrai e fatiga, pois outros estabelecem outros dogmas?" (Até parece que estavam escrevendo para o nosso tempo!)

S. Clemente dá uma resposta espantosamente atual:

"Não só pela essência, mas também pela opinião, pelo princípio, pela excelência, só há uma igreja antiga e é a Igreja Católica. Das heresias, umas se chamam pelo nome de um homem, como as que são chamadas por Valentino, Marcião e Basílides; outras pelo lugar de onde vieram, como os Peráticos; outras, do povo, como a heresia dos Frígios; outras, de alguma operação, como os Encratistas; outras, de seus próprios ensinos, como os Docetas e os Hematistas". (Stromata 1.7.c.15, grifo meu).

E isso antes de Constantino e Niceia!

Até parece que S. Clemente estava se referindo aos protestantes! Imaginem só: "Das heresias, umas se chamam pelo nome de um homem, como as que são chamadas por Lutero, Calvino e Zuínglio; outras pelo lugar de onde vieram, como a Igreja Livre Evangélica Sueca; outras, do povo, como os Anglicanos; outras, de alguma operação, como os Batistas e os Pentecostais; outras, de seus próprios ensinos, como os Metodistas".

Sem sairmos do segundo século, podemos encontrar Irineu, bispo de Lião, que foi discípulo de São Policarpo, o qual, por sua vez, fora ensinado pelo próprio apóstolo João. Para todos aqueles que acham que "Igreja Católica" entre os primeiros cristãos não designa outra coisa que as várias igrejas existentes, como se todas fossem independentes umas das outras, Sto. Irineu responde assim:

"Como, no entanto, seria muito tedioso, em um volume como este, contar as sucessões [episcopais] de todas as Igrejas, nós confundimos todos aqueles que, de qualquer maneira, seja por uma auto-satisfação diabólica, pela vanglória, ou ainda por cegueira e opinião perversa, encontram-se em reuniões não autorizadas; [fazemos isso, digo], mostrando aquela tradição derivada dos apóstolos, dos grandessíssimos, da igreja muito antiga e universalmente conhecida fundada e organizada em Roma pelos dois gloriosos apóstolos, Pedro e Paulo, como também [mostrando] a fé pregada aos homens, que vem até o nosso tempo por meio das sucessões dos bispos. Pois é uma questão de necessidade que cada Igreja deve concordar com esta Igreja, em virtude da sua autoridade preeminente, isto é, os fiéis por toda parte, na medida em que a tradição foi preservada de forma contínua por aqueles [homens fiéis] que existem em toda parte"(Contra as heresias  III 3,2, grifo e sublinahdo meus). 

E após dizer isso, Sto. Irineu começa a enumerar todos os bispos de Roma até a época dele. E tudo isso antes de Niceia, antes de Constantino...

Na narração do martírio de São Piônio, meados do século III, temos o seguinte diálogo entre este e Polemon, que o interroga:

"- Como se chama?
 - Cristão.
 - De que igreja?
 - Católica." (Ruinart Acta martyrum pág. 122 n° 9).

Podemos perceber, assim, que é na Igreja Católica, fundada por Cristo e preservada pelos apóstolos e defendida pelos verdadeiros cristãos desde o cristianismo primitivo, que os cristãos sempre se reúnem. Espero que o católico do diálogo que abre este texto tenha agora uma reação distinta daquelas que descrevi e que não omita a verdade; no entanto, que não abra mão da caridade.

Para encerrar, deixo ainda mais três referências dos primeiros cristãos:

S. Paciano, século IV, escreve assim a Simprônio:

"Como, depois dos Apóstolos, apareceram as heresias e com nomes diversos procuraram cindir e dilacerar em partes aquela que é a rainha, a pomba de Deus, não exigia um sobrenome o povo apostólico, para que se dintinguisse a unidade do povo que não se corrompeu pelo erro?... Portanto, entrando por acaso hoje numa cidade populosa e encontrando marcionistas, apolinarianos, catafrígios, novacianos e outros deste gênero, que se chamam cristãos, com que sobrenome eu reconheceria a congregação de meu povo, se não se chamasse Católica?" (Epístola a Simprônio n° 3, grifo e sublinhado meus). E continua: "Cristão é o meu nome; católico o sobrenome" (ibidem n° 4).

S. Cirilo de Jerusalém, século IV:

"Se algum dia peregrinares pelas cidades, não indagues simplesmente onde está a casa do Senhor, porque também as outras seitas de ímpios e as heresias querem coonestar com o nome de casas do Senhor as suas espeluncas; nem perguntes simplesmente onde está a igreja, mas onde está a Igreja Católica, este é o nome próprio desta santa mãe de todos nós, que é também a esposa de Nosso Senhor Jesus Cristo" (Instrução catequética c.18; n° 26, grifo e sublinhado meus).

S. Agostinho, século V:

"Deve ser seguida por nós aquela religião cristã, a comunhão daquela Igreja que é Católica, e Católica é chamada não só pelos seus, mas também por todos os inimigos" (Verdadeira Religião c.7; n°12)

Agora, caro leitor, já se pode responder claramente à pergunta contida no título deste texto.

A Igreja primitiva era, pois, Católica! Por isso cantamos há vários séculos:

"Et [credo in] unam, sanctam, catholicam et apostolicam Ecclesiam"

Pax Domini Sit Semper Vobiscum

William Bottazzini